Dia do Petróleo

 
Caros amigos, Temos acompanhado que devido ao desenvolvimento industrial e ao crescimento da população, a demanda mundial por energia suja tem aumentado a cada década e segue afetando milhões de pessoas. Nossas principais fontes são o gás natural, o carvão e o petróleo, que são responsáveis por 80% da energia consumida no mundo. Esses combustíveis fósseis são uma fonte de energia limitada, cara e acarretam em muitos impactos negativos, tanto sociais quanto ambientais, que devido às emissões de gases do efeito estufa, causadas pela queima desse tipo de combustível, são responsáveis em grande parte pelas mudanças climáticas que colocam em risco a vida do planeta. No último sábado (29), dia do petróleo, ativistas da 350.org protestaram em frente a postos de gasolina de duas das maiores companhias petrolíferas do mundo, pedindo o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis. O protesto aconteceu simultaneamente em São Paulo e Salvador, onde os ativistas sujos de óleo pediram o não subsídio das mudanças climáticas visando fortalecer o coro contra o avanço dos combustíveis fósseis e, ao mesmo tempo, apontar para a sociedade a necessidade de discussão sobre o assunto e fomentar as discussões sobre esse tema e o quanto isso é importante para o futuro do planeta.

“Nossa ação foi importante na medida em que despertou a curiosidade dos transeuntes,  principalmente dos que entravam e saíam do posto de combustível. Tenho certeza que, de alguma forma, aqueles motoristas dedicaram algum tempo a pensar na mensagem que estávamos passando. A escolha do local também foi estratégica: disputando atenção de soteropolitanos e turistas com o Farol da Barra e o mascote da Copa que estava sendo apresentado no local, queríamos causar certo impacto. Estávamos pintados de preto, representando a dependência dos combustíveis fósseis em nossas vidas hoje. Isso acontece pela influência e lobby das grandes empresas sob chancela de nossos governos, que insistem em financiar a destruição do planeta. Por mais difícil que possa ser para algumas pessoas imaginar, é sim possível um futuro em que o uso desses combustíveis seja mínimo, e o investimento em fontes de energia alternativa seja a prioridade.” disse Diêgo Lôbo, 22, um dos participantes da ação em Salvador. “A ideia da ação sobre combustíveis fósseis foi provocar um debate sobre o tema e apontar para a sociedade que não precisamos ser dependentes de fontes sujas e limitadas de energia. Com isso, através dessa ação, pedimos para que tanto os governos quanto as empresas, passem a investir mais em energias de fontes limpas e em pesquisas que possam solucionar esses problemas em busca de um mundo mais sustentável.” relatou Geinne Monteiro, 22, que esteve presente na ação em São Paulo. Os Governos, ao invés de investir em fontes limpas de energia e incentivar pesquisas que reduzam tais impactos ambientais têm caminhado no sentido oposto aplicando dinheiro em combustíveis fósseis e energia nuclear. De acordo com uma pesquisa de opinião pública da ONU, 66% das pessoas que responderam elegeram o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis como prioridade. Acabar com esse subsídio levaria a reduções maciças nas emissões que estão superaquecendo nosso planeta. Investir em fontes limpas de energia poderia ajudar a nivelar o campo econômico e provocar uma revolução sustentável ao redor do mundo. Nós temos a ameaça diante de nós e sabemos que juntos podemos guiar os nossos líderes para a solução com ação e criatividade. Se não apontarmos logo essa mudança estaremos colocando em risco a sobrevivência das gerações futuras e de todo o planeta. A 350.org em parceria com a Avaaz e outras organizações conseguiram através de uma petição, coletar mais de um milhão de assinaturas para acabar com os subsídios aos combustíveis fósseis, mostrando que a população não quer mais beneficiar as grandes companhias de petróleo, gás e carvão, que cada vez mais enriquecem ao nosso custo. De acordo com uma pesquisa da BBC, sobre o uso dos combustíveis fósseis, quase 60% do petróleo é utilizado apenas para o transporte e segundo a Revista Forbes, Exxon Mobil, Royal Dutch Shell e Petrobras estão entre as quatro maiores petrolíferas do mundo. Os governos do mundo gastam cerca de US$ 1 tri em subsídios aos combustíveis fósseis e a única maneira de impedir que milhões de toneladas de dióxido de carbono sejam emitidos é acabar com esse investimento e estabelecer grandes metas no incentivo para o uso de energias limpas e renováveis, além de garantir acesso e segurança energética a todos. É possível utilizar melhor esses trilhões investindo em energia renovável, eficiência e segurança energética, proteção de espécies, saúde pública e educação.  

Rafael Amorim Fernandes

Voluntário 350.org

Raphael Gomes

Organizador da rede da 350.org